quinta-feira, 9 de abril de 2020

'Uma vitória', diz idoso que passou 14 dias entubado e se recuperou da Covid-19 no RN

Aposentado Iremar Leite Pereira, de 72 anos, ficou entubado por 14 dias e se curou da Covid-19 — Foto: Cedida
Aposentado Iremar Leite Pereira, de 72 anos, ficou entubado por 14 dias e se curou da Covid-19 — Foto: Cedida
Depois de passar 14 dias entubado, respirando com auxílio de um ventilador mecânico, o aposentado Iremar Leite Pereira, de 72 anos, está curado da Covid-19 e pôde voltar para casa. “Uma vitória muito grande na minha vida”, resumiu.
Na saída do hospital, foi aplaudido pela equipe médica, que filmou o momento. “Fiquei muito emocionado, porque vi a importância do ser humano… Eles ali, satisfeitos por salvarem uma vida”, relata o aposentado.
Iremar começou a sentir os sintomas do novo coronavírus em 10 de março. Ele mora em Mossoró, no Oeste potiguar. “Como ele tem sinusite crônica e os sintomas eram parecidos, acreditamos que era isso. Então realizamos os procedimentos que costumamos realizar nesses casos”, conta um dos filhos de Irema Pereira, José Luís Neto, que é médico.
Contudo os sintomas não foram embora e o quadro piorou: o aposentado começou a sentir febre, ânsia de vômito e falta de apetite. Foi aí que a família decidiu levá-lo para uma consulta em Natal.
Uma tomografia revelou danos nos pulmões de Iremar Pereira e os médicos passaram a desconfiar que se tratava de Covid-19. Os exames confirmaram. O aposentado ficou internado no hospital. “Devido à idade e também por ser hipertenso e diabético, a equipe considerou que seria melhor encaminhá-lo logo à UTI. E assim foi feito”, afirma o filho.
Depois de alguns dias na Unidade de Terapia Intensiva, por precaução, porque o idoso também tem apneia do sono, foi tomada a decisão de que Iremar seria entubado. José Luís revela que, durante esse período de entubação, o pai apresentou piora nos pulmões e insuficiência renal. Iremar Pereira começou a realizar hemodiálise.
Ainda segundo o José Luís, os médicos decidiram ministrar cloroquina ao pai dele. A medicação ainda não tem a eficácia comprovada contra a Covid-19. No caso de Iremar, depois de dois dias tomando o remédio, ele apresentou alterações nos batimentos cardíacos em um eletrocardiograma. “Não chegou a ser uma arritmia, porque foi identificado previamente”, afirma o filho. Depois disso, a cloroquina foi suspensa no paciente.
Os médicos continuaram o tratamento anterior e Iremar Pereira começou a apresentar melhora no quadro. Depois de 14 dias sedado e respirando com ajuda do ventilador mecânico, foi desentubado. Alguns dias mais tarde, foi para a enfermaria.
José Luís diz de tanto na UTI quanto no quarto o pai permaneceu em isolamento, com presença somente dos profissionais da saúde. “Nossa família também ficou de quarentena em casa”, relata.
O aposentado recebeu alta no início desta semana. “Eu saí dessa, graças a Deus. Fiquei muito satisfeito quando saí. Quando estava lá, enquanto estava consciente, orei muito por mim e pelos outros doentes”, diz Iremar Pereira, que já está em casa, sob os cuidados dos filhos.
O médico José Luís comemorou o regresso do pai alertou para a necessidade de a população estar unida no enfrentamento ao vírus. “A gente se cuidando cuida dos outros. É possível vencer esta guerra, desde que todos façamos a nossa parte na batalha”.

Fonte: G1 RN

Nenhum comentário:

Postar um comentário