sexta-feira, 10 de abril de 2020

Médicos e enfermeiros acompanham Papa Francisco na procissão de Via Crucis no Vaticano

Médicos e enfermeiros do Vaticano acompanham procissão de Via Crucis durante a celebração da Sexta-Feira Santa em frente a basílica de São Pedro, no Vaticano, em 10 de abril — Foto:  Claudio Peri/Pool via Reuters
Médicos e enfermeiros do Vaticano acompanham procissão de Via Crucis durante a celebração da Sexta-Feira Santa em frente a basílica de São Pedro, no Vaticano, em 10 de abril — Foto: Claudio Peri/Pool via Reuters
Médicos e enfermeiros, alguns vestindo seus jalecos brancos, juntaram-se a uma procissão da Sexta-Feira Santa à luz de tochas em uma assustadoramente quase vazia Praça de São Pedro, enquanto o Papa Francisco presidia a cerimônia que não pode ser realizada no Coliseu de Roma, como acontece tradicionalmente, devido à quarentena na Itália por causa do coronavírus.
A participação da equipe médica do Vaticano foi um lembrete de como a pandemia afetou quase todas as esferas da vida.
Francisco assistiu dos degraus do lado de fora da Basílica de São Pedro enquanto a procissão, que incluía um policial uniformizado, um capelão da prisão de Pádua e um ex-detento, circulando em torno do obelisco central da praça. A procissão da Via Cucis evoca Jesus sofrendo a caminho de ser crucificado.
Antes, em um culto da Sexta-feira Santa dentro da basílica, o pregador papal disse que a pandemia alertou as pessoas para o perigo de se acharem poderosas. Durante esse culto, em sinal de humilde obediência, o Papa Francisco se prostrou por alguns minutos no chão da basílica.
Com fiéis comuns não permitidos na basílica de acordo com as medidas de contenção de vírus, e enquanto Francisco ouvia atentamente, o Rev. Raniero Cantalamessa disse a alguns prelados, membros do coral e a vários outros participantes que “foi necessário apenas o menor e mais sem forma elemento da natureza, um vírus, para nos lembrar que somos mortais” e que “o poder e a tecnologia militares não são suficientes para nos salvar”.
Cantalamessa disse que, quando a pandemia terminar, "voltar ao modo como as coisas eram é a 'recessão' que devemos temer mais". Ele disse ainda que o vírus quebrou "barreiras e distinções de raça, nação, religião, riqueza e poder".

Fonte: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário