terça-feira, 10 de dezembro de 2019

Maia sobre PSL: ‘Todo mundo nu e se matando‘

Uma nudez autofágica com redes sociais. Foi assim, com singela objetividade, que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, do DEM, descreveu a desavença que levou Jair Bolsonaro a deixar o partido pelo qual se elegeu para criar uma nova legenda.
“Esta briga do PSL é uma briga de poder, pelo tempo de TV e pelo fundo partidário”, declarou Maia ao site do Globo. “Acontece em todos os partidos, mas no caso deles, como são o partido das redes sociais, é uma briga bem explícita. Todo mundo nu e se matando”.
Donos de cargos majoritários, o presidente e seu primogênito, o senador Flávio Bolsonaro, já se desfiliaram do PSL. O caso dos deputados bolsonaristas é diferente. Pela lei, seus mandatos pertencem ao partido.
A legislação abre duas brechas para que deputados deixem suas legendas levando os mandatos: 1) “Grave discriminação política pessoal”; 2) “Mudança substancial ou desvio reiterado do programa partidário”.
A turma de Bolsonaro alegará na Justiça Eleitoral que foi perseguida pelo grupo de Luciano Bivar, dono e presidente do PSL. Não basta alegar, precisa provar.
Normalmente, disse Maia, disputas partidárias por poder, tevê e dinheiro costumam ser dissolvidas em saliva. “Ao longo do tempo, isso vai decantando. E as pessoas percebem que não é o caminho correto, que é melhor construir através do diálogo”.
O PSL, porém, foi convertido por Bolsonaro na mais despida das legendas. Expõe um nu que ninguém pediu. Mas ninguém faz a concessão de uma surpresa. A obscenidade política já não espanta.

Fonte: Josias de Souza

Nenhum comentário:

Postar um comentário