sábado, 20 de julho de 2019

Nota de repúdio da marcha mundial das mulheres

Hoje, Raiene Dantas Assunção de 33 anos, há 4 meses Zaira Cruz 20 anos, há 4 anos 
Fernanda Borges de 27 anos. Quantas e quantas mais precisarão morrer? Quantas e quantas mais precisarão ficar paraplégicas, ter suas feições deformadas e sofrerem para além dos impactos físicos, sequelas emocionais por toda a vida? Quantas?O feminicídio é o desfecho final de uma tragédia que se anuncia no cotidiano de mulheres atormentadas pelo fantasma cíclico da violência. Uma violência diária, silenciada, mascarada pelo estado e “invisível” aos olhos da sociedade. Essa violência tem raízes: o machismo estrutural. Uma sociedade que educa um homem para prover e dominar e uma mulher para gerar e obedecer.
O Brasil é o quinto país que mais mata mulheres no mundo. Há cada quatro horas uma mulher é violentada nesse país. BASTA! A violência não é um problema privado, é uma questão de saúde pública. 

A Marcha Mundial das Mulheres se solidariza com a família da vítima de feminicídio Raiene e reforça nosso compromisso em lutar cotidianamente pela vida das mulheres.

BASTA DE VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER!
Queremos viver!
Marcha Mundial das Mulheres

Currais Novos, 19 de Julho de 2019.

Nenhum comentário:

Postar um comentário