sábado, 11 de julho de 2020

Idoso de 99 anos recebe alta após oito dias internado com Covid-19 em Natal

Idoso de 99 anos recebe alta de hospital em Natal após tratar Covid-19.  — Foto: Reprodução
Idoso de 99 anos recebe alta de hospital em Natal após tratar Covid-19. — Foto: Reprodução
Um idoso de 99 anos recebeu alta do Hospital de Campanha de Natal sob aplausos dos profissionais de saúde, após se tratar contra a Covid-19. Seu Juvenal Lopes Pereira, que vai completar 100 anos no dia 20 de setembro, passou seis dias internado na unidade, após ser transferido do Hospital dos Pescadores, e não precisou de Unidade de Tratamento Intensivo.
As imagens da saída do hospital foram gravadas na última quinta-feira (9). Segundo a família, ele começou a sentir os sintomas da doença entre os dias 29 e 30 de junho, procurou uma unidade de saúde, mas foi mandado de volta para casa.
Com a piora dos sintomas e sentindo falta de ar, o idoso fez o teste rápido para a doença no dia 2 de julho e foi levado para o Hospital dos Pescadores, onde ficou internado por dois dias, até ser transferido para o Hospital de Campanha.
Seu Juvenal afirmou que foi muito bem tratado pelos profissionais e que não acreditou quando o disseram que uma filha estava indo à unidade para o buscar. Ele agradeceu à equipe do hospital.
"As médicas foram boas, me trataram bem. Estou me recuperando e dou graças a Deus, ter ido para acolá e ter recuperado minha saúde. Jesus me protegeu e minha médica, todos de lá, foram muito bons para mim", afirmou.
O idoso voltou para casa, no bairro Mãe Luiza, zona Leste da cidade, onde mora com a esposa, dona Maria Segunda, de 90 anos. Vigilante noturno aposentado, seu Juvenal teve 9 filhos, dos quais três são vivos, além de 20 netos, 20 bisnetos e um tataraneto.

Fonte: G1 RN

TCU manda governo Bolsonaro parar de anunciar em sites de 'atividades ilegais'

Sede do Tribunal de Contas da União (TCU) em Brasília (DF) Foto: André Coelho / Agência O Globo
Sede do Tribunal de Contas da União (TCU) em Brasília (DF) Foto: André Coelho / Agência O Globo
O ministro Vital do Rêgo, do Tribunal de Contas da União (TCU), determinou ao Ministério das Comunicações que deixe de "direcionar recursos de campanhas publicitárias do governo" a sites e plataformas que se relacionem a atividades ilegais ou que tenham conteúdo estranho ao motivo do anúncio. Na decisão, o ministro diz que é uma medida que tem de ser tomada de forma imediata. Para ele, as notícias sobre a veiculação de campanhas do governo em canais desse tipo são "extremamente graves".
A decisão foi assinada ontem e tem caráter cautelar. Vital do Rêgo se baseia em representação do subprocurador-geral do Ministério Público junto ao TCU, Lucas Rocha Furtado, em que lista indícios de irregularidades na veiculação de campanhas publicitárias do governo, em especial sobre a reforma da Previdência no ano passado. Furtado fez o pedido de investigação com base em reportagem publicada em maio pelo jornal Folha de S.Paulo, que mostrou anúncios do governo em sites e plataformas que têm público-alvo infantil, que tratam de jogo do bicho, que divulgam fake news, entre outros.
Em nota, a Secretaria de Comunicação da Presidência da República (Secom) nega ter direcionado recursos a esses sites. A pasta alega que usou a ferramenta do Google Adsense, que, por meio de algoritmo, distribui anúncios para alcançar determinado público-alvo". Porém, esse tipo de anúncio, apesar de feito indiretamente a vários sites, permite que o contratante restrinja o destino de suas propagandas para evitar que sejam veiculadas em páginas indesejadas.
Além de determinar o fim de anúncios desse tipo, Vital do Rêgo determinou a oitiva do Ministério das Comunicações, que agora abriga a Secom, em 15 dias. O ministro decidiu ainda que a pasta tem o mesmo prazo para apresentar ao TCU "evidências robustas que afastem a ocorrência dos indícios de irregularidades a seguir descritos, ou informe as medidas adotadas para a instauração da devida tomada de contas especial com vistas à quantificação do dano e identificação dos responsáveis".
O Ministério das Comunicações também deverá apresentar "informações detalhadas sobre todas as veiculações/inserções do Governo Federal em plataformas/mídias/canais realizadas por meio da compra de espaços publicitários", em contratos vigentes na época da campanha da reforma da Previdência ou vigentes agora.
"Dito de outro modo, a aplicação de recursos públicos federais em plataformas ou canais de divulgação que nada contribuem para o alcance dos objetivos precípuos das campanhas publicitárias caracteriza realização inepta de despesas, uma vez que o gasto não se traduz em qualquer tipo de proveito para a União ou para a coletividade em geral", avalia o ministro na decisão.
Caso as informações apresentadas pelo ministério não afastem a possibilidade de irregularidades, será aberto um processo administrativo chamado tomada de contas especial. O objetivo é avaliar eventuais prejuízos à administração pública e identificar os responsáveis, que podem ser condenados a realizar um ressarcimento.
Em junho, o GLOBO mostrou que relatório produzido a pedido da CPMI das Fake News identificou 2,065 milhões de anúncios pagos com verba da Secom em sites, aplicativos de telefone celular e canais de YouTube que veiculam conteúdo considerado inadequado. Entre eles, estão sites que divulgam notícias falsas, oferecem investimentos ilegais e até aplicativos com conteúdo pornográfico.
Na decisão, Vital do Rêgo frisa que "essa situação não se respalda no ordenamento jurídico pátrio, em face dos princípios constitucionais da indisponibilidade do interesse público, da eficiência, da moralidade e da razoabilidade, entre tantos outros". Ele ressalta, porém, que não se questiona ou se faz juízo sobre a necessidade da campanha publicitária.
"O que se examina nos presentes autos é a veiculação oficial em canais de público completamente estranho ao assunto divulgado, o que, caso se confirme, caracterizará manifesto despropósito na utilização de verbas públicas. No mesmo sentido, é inconcebível que, em um país carente como o Brasil, os escassos recursos públicos, parte dos quais destinados a campanhas informativas do Governo Federal, estejam a irrigar mídias que patrocinam atividades ilegais – ou delas se aproveitam –, como é o caso do site que divulga resultados do chamado 'jogo do bicho'", pontua o ministro.
Em nota, a Secom disse que, por usar o Google Adsense, "não há a possibilidade de 'direcionamento' para este ou aquele site/blog que tenha este ou aquele perfil político/ideológico". "A Secom não interfere na seleção do Google Ads, realizada por algoritmos, e nunca investiu recursos públicos com base em preferências pessoais ou políticas", diz a secretaria.
"Há de se observar que o trabalho nessas ferramentas digitais é contínuo e monitorado rigidamente pela agência de publicidade, que faz os ajustes necessários atendendo às boas práticas do mercado. (...) A Secretaria Especial de Comunicação do Ministério das Comunicações reitera que o investimento publicitário deste governo segue rigorosamente o critério da impessoalidade", alega a Secom.
Dificuldade de acesso aos dados
Os dados sobre a campanha da reforma da Previdência foram obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI). Em sua decisão, Vitâl do Rego destacou que a Secom inicialmente negou o pedido de divulgação das planilhas de anúncios, e que os dados só foram divulgados porque houve um recurso à Controladoria-Geral da União (CGU).
O governo também já impôs outros obstáculos à divulgação de dados sobre publicidade. A Secom, por exemplo, negou pedidos que tinham como objetivo aprofundar dados do relatório da CPMI das Fake News que apontou 2 milhões de anúncios em sites inadequados.
Já o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal negaram acesso ao detalhamento sobre seus anúncios, com aval da CGU.
Tribunal já restringiu publicidade
Em maio, o ministro Bruno Dantas, também do TCU, proibiu o Banco do Brasil de anunciar em sites e blogs suspeitos de publicar ou compartilhar notícias falsas. A decisão foi posteriormente confirmada pelo plenário do tribunal. Uma outra investigação sobre o mesmo assunto foi aberta envolvendo a Caixa.
O processo sobre o Banco do Brasil foi citado na decisão de quinta-feira de Vital do Rêgo. O ministro ressaltou que o TCU já recomendou ao governo, no âmbito desse processo, a elaboração de critérios para o recebimento de anúncios do governo e afirmou que caso essa sugestão seja aceita haverá uma melhora geral na publicidade do governo, com impactos na ação julgada por ele.
No ano passado, o TCU já havia determinado a suspensão da campanha de publicidade do pacote anticrime, que na época estava sendo discutido no Congresso.

Fonte: O Globo

POSTOS WELL!

No Posto Well você encontra Gasolina Comum, Aditivada e ainda Diesel S10 PETROBRAS GRID! Localizado na Avenida Silvio Bezerra de Melo, N° 241, próximo a antiga Disvese.

Primeira-dama Michelle Bolsonaro diz que testes de coronavírus dela e das filhas resultaram negativo

A primeira-dama, Michelle Bolsonaro e o presidente Jair Bolsonaro no último dia 15 de maio, durante evento de lançamento da Campanha de Conscientização e Enfrentamento à Violência Doméstica — Foto: Eraldo Peres/AP
A primeira-dama, Michelle Bolsonaro e o presidente Jair Bolsonaro no último dia 15 de maio, durante evento de lançamento da Campanha de Conscientização e Enfrentamento à Violência Doméstica — Foto: Eraldo Peres/AP
A primeira-dama Michelle Bolsonaro afirmou neste sábado por meio de uma rede social que exames para detecção de coronavírus dela e das filhas resultaram negativo.
Na última terça-feira (7), o presidente Jair Bolsonaro anunciou que contraiu covid-19, doença provocada pelo coronavírus.
A avó da primeira-dama, Maria Aparecida Firmo Ferreira, de 80 anos, está internada desde o início do mês, com covid-19, no Hospital Regional de Santa Maria, no Distrito Federal.
Desde que anunciou o teste positivo, o presidente Jair Bolsonaro se mantém na residência oficial do Palácio da Alvorada, despachando com ministros por meio de videoconferência.
Nesta sexta-feira, antes de anunciar a nomeação do novo ministro da Educação, Milton Ribeiro, o presidente apareceu, de máscara, caminhando nos jardins do Alvorada.
Na tarde da última quinta-feira (9), a Secretaria de Comunicação da Presidência informou por meio de nota que Bolsonaro "evolui bem, sem intercorrências".
Segundo a nota, o presidente "apresenta boas condições de saúde e continua sendo acompanhado, conforme rotina, pela equipe médica da Presidência da República".
À noite, após a divulgação da nota, Bolsonaro fez uma transmissão ao vivo por uma rede social. Ele apareceu no vídeo sozinho e sem máscara. Em outras "lives", Bolsonaro costumava estar acompanhado de ministros.

Fonte: G1 

Retomada do Pró-Moradia beneficiará 6 mil famílias do RN

A governadora Fátima Bezerra lançou, nesta quarta-feira (08), por videoconferência, dois editais de licitação (Central nº 007/2020 - SIN e Contrato Oriental Sul - 014/2020 – SIN) destinados à contratação de empresas para execução das obras de construção de Unidades Habitacionais do Programa Pró-Moradia Viver Melhor do Governo do Estado, por meio da Companhia Estadual de Habitação e Desenvolvimento Urbano (Cehab-RN) e da Secretaria da Infraestrutura (SIN). O Pró-Moradia vai contemplar na primeira fase 18 municípios e cerca de 6 mil pessoas provenientes de famílias em situação de risco social ao longo do programa.
A retomada do Pró-Moradia só foi possível graças ao comprometimento do Governo na garantia dos recursos. No total, ao longo do programa, serão 765 unidades habitacionais com um investimento de R$ 51 milhões (recursos estaduais e federais). A Caixa Econômica é responsável pelo suporte técnico, acompanhamento e financiamento do programa, aportando recursos na ordem de R$ 44 milhões. Os outros R$ 11 milhões são frutos da contrapartida estadual via Fundo de Combate à Pobreza (FECOP).
O programa estava parado havia 6 anos e foi reativado e formalizado pela governadora Fátima Bezerra. “Estou com sentimento de dever cumprido, dando continuidade a esse programa. Estamos realizando um sonho de muitas pessoas que não tiveram oportunidade e direto de ter uma moradia digna. Cada município contemplado vai receber investimento na ordem de quase R$ 1 milhão e isso vai movimentar a economia local e gerar empregos. Espero que juntos, Governo do Estado, prefeituras bancadas estadual e federal, possam avançar em prol da cidadania e do povo potiguar”, enfatizou.
A governadora destacou que apesar da situação de calamidade financeira na qual encontrou o Estado, “não medimos esforços para tirar o programa do papel. Não faltou sensibilidade a nossa gestão e nossa equipe econômica para assegurar um programa como esse que garante moradia aos potiguares. Destaco o empenho da Caixa Econômica Federal e o esforço e parceria do Deputado Benes Leocádio para que pudéssemos prosseguir com o programa e garantir os recursos federais”.
Para o diretor-presidente da Cehab, Pablo Thiago Lins, “mesmo com essa epidemia, com muita cautela, e em parceria com a SIN, não paramos nosso trabalho. Vamos atender 46 municípios em parceria com as prefeituras que estão cedendo os terrenos para a construção das casas. Estamos promovendo políticas públicas para os potiguares. Na primeira fase serão construídas quase 300 unidades, com um investimento de R$ 18 milhões, atendendo cerca de mil pessoas aproximadamente”. O déficit habitacional no Rio Grande do Norte é de aproximadamente 137 mil casas.
A secretária do Trabalho, da Habitação e da Assistência Social, Iris Oliveira, destacou a importância do programa para as pessoas em situação de vulnerabilidade: “Este é um passo importante para as camadas mais populares porque possibilitará um direito essencial para todo ser humano”. Já o secretário de Infraestrutura, Gustavo Coelho, ressaltou o trabalho realizado pelas equipes da SIN e da Cehab para atualizar os projetos do Pró-Moradia, que é composto por cinco etapas. Coelho ainda informou já estar trabalhando nos outros três editais para futura licitação.
O deputado federal Benes Leocádio destacou o esforço conjunto para que o programa saísse do papel: “Estou feliz por fazer a ponte com o Governo Federal e garantir as famílias este direito. É um momento de somar para garantir políticas públicas e o desenvolvimento do Rio Grande do Norte”. A continuidade do programa também contou com o trabalho parlamentar da deputada estadual Eudiane Macedo.
Superintendente Executivo de Governo da Caixa Econômica Federal – CEF, Lamark Rodrigues Bandeira, destacou a parceria com o Governo do RN. “Temos projetos e este governo é um grande parceiro na área de políticas públicas. Esse programa, especificamente, além de moradia, vai gerar emprego e renda com a cadeia da construção civil e outros segmentos”.
O evento teve a participação, ainda, do vice-governador, Antenor Roberto, do secretário Fernando Mineiro (Gestão de Projetos e Metas), dos prefeitos José Sally (Cruzeta), Odon Oliveira (Currais Novos), Sandra Jaqueline (Fernando Pedrosa), Reno Marinho (São Rafael), Adeilson Gomes (Baia Formosa), Iracema Pereira (São Vicente) e dos representantes municipais José Pedro (Carnaubais) e Fagner Freire (Espírito Santo).
Unidades
No primeiro momento, a ação contempla 18 municípios da região Central e Oriental Sul com quase 300 moradias. Os municípios beneficiados são: Carnaubais, Cruzeta, Currais Novos, Fernando Pedrosa, Pedro Avelino, São Rafael, São Vicente e Tenente Laurentino Cruz na Região Central. Já na Região Oriental Sul Arês, Baía Formosa, Espírito Santo, Goianinha, Macaíba, Monte Alegre, Nísia Floresta, Nova Cruz, Santo Antônio e São Gonçalo do Amarante.
Cada unidade habitacional do Pró-Moradia/Viver Melhor está avaliada em R$ 57 mil, e terá 40,92 metros quadrados divididos por dois quartos, banheiro, área de serviço, sala e cozinha.
Estão previstas construções em todas as regiões do RN, variando entre 14 e 40 imóveis erguidos, dependendo da localidade. A média de investimento por município será de aproximadamente R$ 800 mil. Os critérios técnicos de escolha para os municípios seguiram fundamentos exigidos e apontados pela instituição financeira.

Fonte: ASSECOM/RN

Anvisa diz que 'não existem estudos conclusivos' para o uso de antiparasitário contra a Covid-19

Não há comprovação para o uso da ivermectina contra a Covid-19 — Foto: Prefeitura de Itajaí/ Divulgação
Não há comprovação para o uso da ivermectina contra a Covid-19 — Foto: Prefeitura de Itajaí/ Divulgação
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) disse nesta sexta-feira (10) que a ivermectina, medicamento antiparasitário, não tem comprovação científica de eficiência contra a Covid-19, doença causada pelo Sars CoV-2.
A nota de esclarecimento (veja a íntegra abaixo) explica que "é preciso deixar claro que não existem estudos conclusivos que comprovem o uso desse medicamento para o tratamento da Covid-19, bem como não existem estudos que refutem esse uso".
A agência acrescenta que "até o momento, não existem medicamentos aprovados para prevenção ou tratamento da Covid-19 no Brasil" e, ainda, que as "indicações não previstas na bula é de escolha e responsabilidade do médico prescritor".
Veja a nota da Anvisa:
Diante das notícias veiculadas sobre medicamentos que contêm ivermectina para o tratamento da Covid-19, a Anvisa esclarece:
Inicialmente, é preciso deixar claro que não existem estudos conclusivos que comprovem o uso desse medicamento para o tratamento da Covid-19, bem como não existem estudos que refutem esse uso.
Até o momento, não existem medicamentos aprovados para prevenção ou tratamento da Covid-19 no Brasil.
Nesse sentido, as indicações aprovadas para a ivermectina são aquelas constantes da bula do medicamento.
Cabe ressaltar que o uso do medicamento para indicações não previstas na bula é de escolha e responsabilidade do médico prescritor.

Fonte: G1 

O que já era incrivel, VIROU FULL POWER!

A internet na velocidade da luz com um preço que você nunca viu! Ligue agora e venha ser você também um cliente Full Power!
"Presente em 14 cidades, há mais de 15 anos a Star Conect leva qualidade, velocidade e estabilidade para mantê-lo conectado sempre!"

PACTO PELA VIDA: Polícia Militar prende mulher de Caicó com 2,5kg de drogas na RN-041

Policiais militares da cidade de Santana do Matos em cumprimento à ordem de serviço do Projeto Pacto Pela Vida prenderem na tarde desta sexta feira na RN-041 uma mulher natural de Parnamirim portando 1kg de cocaína e mais 1,5kg de maconha.
Leide Laiana Carina da Silva, de 31 anos de idade, natural de Caicó, mas residente na rua Ielmo Marinho, nº 80, Nova Parnamirim, na Cidade de Parnamirim-RN, foi conduzida para o flagrante delito na delegacia de plantão (3ª DRP/Caicó).
Além dos dois quilos e meio de drogas (maconha e cocaína) a mulher estava na posse de um filho com apenas 3 aninhos de idade. O Conselho Tutelar de Caicó foi acionado para as providências cabíveis.

Fonte: Blog Jair Sampaio

Homens são assassinados a tiros dentro de oficina no Agreste potiguar

Dois homens de 22 e 27 anos foram assassinados a tiros dentro de uma oficina, no início da noite desta sexta-feira (10) no bairro Frei Damião, em Serra de São Bento, município da região Agreste potiguar. De acordo com a Polícia Militar dois criminosos passaram pelo local em um carro e dispararam contra as vítimas, fugindo em seguida.
As duas vítimas morreram na hora, antes de qualquer socorro médico. Elas foram identificadas como Mikael Miguel da Costa, de 22 anos e Rosinaldo Pereira de Assis, de 27 anos.
Após o crime, policiais de São Bento e da cidade vizinha, Monte das Gameleiras, fizeram buscas na região, mas nenhum suspeito foi preso.
Uma equipe ficou no local do crime até a chegada do Instituto Técnico-Científico de Perícia, que recolheu os corpos para perícia. O crime será investigado pela Polícia Civil.

Fonte: G1 RN

Após 3 semanas foragida, mulher de Queiroz está em casa para cumprir prisão domiciliar, diz advogado

STJ concede prisão domiciliar a Fabrício Queiroz e à mulher, Márcia Aguiar, foragida — Foto: Rede Globo
STJ concede prisão domiciliar a Fabrício Queiroz e à mulher, Márcia Aguiar, foragida — Foto: Rede Globo
A mulher de Fabrício Queiroz, Márcia Aguiar, que estava foragida havia 3 semanas, já está em casa, na Zona Oeste do Rio, onde aguarda instruções sobre a colocação da tornozeleira eletrônica, de acordo com o advogado Catta Preta.
Em nota, a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária informou que Márcia tem cinco dias úteis contados, após notificação feita pela justiça, para se apresentar à secretaria e instalar a tornozeleira eletrônica, conforme decisão judicial.
Nesta sexta-feira (10), o Superior Tribunal de Justiça (STJ) concedeu o benefício da prisão domiciliar ao casal. De acordo com a defesa, eles seguirão estritamente o que for determinado pela Secretaria de Administração Penitenciária (Seap).
Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), foi solto na noite desta sexta do Complexo Penitenciário de Gericinó, na Zona Oeste do Rio. Ele também seguiu para prisão domiciliar. Queiroz deixou o complexo por volta das 21h20, com uma tornozeleira eletrônica.
Buscas do Ministério Público
Márcia era procurada desde a prisão do marido, no dia 18 do mês passado. Ambos foram assessores do então deputado estadual Flávio Bolsonaro -- Márcia serviu no gabinete entre 2007 e 2017.
No dia 23, o Ministério Público de Minas Gerais e a Polícia Militar mineira chegaram a fazer uma busca na casa da madrinha de Queiroz, em Belo Horizonte, onde se acreditava que Márcia estava escondida.
Equipes estiveram ainda em endereços em São João de Meriti, na Baixada Fluminense, na casa da mãe e das irmãs, mas ela não foi encontrada.
Habeas corpus
O benefício da prisão domiciliar foi concedido após uma decisão do ministro João Otávio Noronha, presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), na quinta-feira (9).
Uma das filhas dele deixou uma mensagem emocionada avisando que ia buscar o pai no Complexo Penitenciário de Gericinó.
"Estou indo te buscar, meu pai! E você vai ter o abraço de todos os seus filhos que estão cheios de saudades e tanto te amam e sabem o homem incrível que você é!", disse a filha na mensagem.
Operação Anjo
Queiroz está preso desde 18 de junho, quando a Polícia Federal deflagrou a Operação Anjo.
A defesa afirma que o ex-assessor está fazendo um tratamento contra um câncer e usou como argumento o "atual estágio da pandemia do coronavírus". Os advogados disseram que Queiroz "é portador de câncer no cólon e recentemente se submeteu à cirurgia de próstata".
O benefício também contempla a mulher de Queiroz, Márcia Aguiar, cuja prisão foi determinada na operação e é considerada foragida. De acordo com a defesa, ela vai se apresentar.
Queiroz é alvo de investigação sobre o esquema das "rachadinhas" na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

Fonte: G1 RJ

A odisseia de pacientes que sofrem os efeitos de longo prazo da Covid-19

Raio-X de um homem de 68 anos mostra sintomas graves da Covid-19. As áreas brancas mostram a inflamação dos alvéolos, que provoca dificuldade de respiração — Foto: The Royal College of Radiologists/BBC
Raio-X de um homem de 68 anos mostra sintomas graves da Covid-19. As áreas brancas mostram a inflamação dos alvéolos, que provoca dificuldade de respiração — Foto: The Royal College of Radiologists/BBC
Seis meses depois de a epidemia surgir na China, a lista de sintomas causados pela Covid-19 não para de aumentar e milhares de pessoas de todas as idades ainda sentem seus efeitos depois de semanas e até mesmo meses de terem sido infectadas pelo novo coronavírus. São os "Covid de longo prazo".
Para Jenny Judge, psiquiatra em Londres, tudo começou em março, quando começou a sentir febre, tosse, dores de cabeça e dificuldade para respirar.
A estes sintomas "clássicos" foram se somando palpitações cardíacas, erupções cutâneas com sensação de queimação, alucinações auditivas e "dedos do pé Covid" com lesões e coceira.
Foram registrados mais de 12 milhões de casos de Covid-19 em todo o mundo, com mais de 550.000 óbitos. Seis milhões de pacientes estão "curados". Mas isto não reflete totalmente a realidade.
Segundo um estudo com 143 pacientes italianos que tiveram alta hospitalar, publicado na quinta-feira (9) na revista médica Jama Network, 87% sofriam pelo menos de um sintoma 60 dias depois do início da doença.
Fadiga e dificuldades respiratórias
Outro estudo, publicado na semana passada pela Agência de Saúde Pública dos Estados Unidos, mostrou que, de 350 pessoas entrevistadas duas ou três semanas depois de terem testado positivo para a Covid-19, aproximadamente 60% dos pacientes hospitalizados e um terço dos doentes em casa não estavam curados.
Os danos nos órgãos nas formas mais graves do novo coronavírus ou as sequelas do período passado em unidades de terapia intensiva podem explicar porque as pessoas hospitalizadas continuam precisando de atenção.
Mas os pacientes que permanecem em casa frequentemente não têm uma explicação para estes sintomas persistentes e, às vezes, enfrentam a incredulidade de seus empregadores e médicos, em particular quando não tiveram um exame de diagnóstico positivo ou quando seus sintomas não se encaixam na descrição oficial das autoridades sanitárias.
"Esta gente se sente muito abandonada. Alguns podem sentir um cansaço muito debilitante", observa Tim Spector, professor de epidemiologia genética no King's College de Londres, criador de um amplo projeto de vigilância dos sintomas da Covid-19.
Três milhões e oitocentos mil britânicos baixaram o aplicativo lançado em março, 300.000 nos Estados Unidos e 186.000 na Suécia. Foram identificados 19 sintomas e até um em cada dez pacientes apresenta pelo menos algum deles depois de 30 dias.
Tim Spector estima que 250.000 britânicos poderiam sofrer de uma "Covid de longo prazo". Considera que esta doença é "mais estranha" do que as doenças autoimunes raras, como o lúpus, que apresenta manifestações muito variadas.
"Algumas pessoas só têm problemas de pele, outras têm diarreia e dores no peito", comenta.
Pode ser qualquer um
Os grupos de apoio reúnem milhares de pessoas nas redes sociais e surgiram palavras-chave sobre a Covid-19 em vários idiomas.
Muitos dizem que tiveram dificuldades em ser ouvidos pelo corpo médico, especialmente os que adoeceram no começo da pandemia, quando eram realizados poucos exames e que, portanto, não têm como provar o contágio.
Mesmo sendo médica, Jenny Judge admite ter enfrentando ceticismo no hospital. Um colega sugeriu que seu alto ritmo cardíaco poderia ser ansiedade.
Isto se explica, em parte, pelo fato de que os médicos que trabalham em hospitais estavam começando a ver estes pacientes com sintomas que até então não eram considerados suficientemente graves para justificar um acompanhamento hospitalar.
Mas esta mulher de 48 anos, sem histórico médico, também vê uma parte de negação. "Se você aceita que uma pessoa que se parece com você, que é médica, que tomou todas as precauções, continua doente depois de mais de cem dias, então também pode ser o seu caso", destacou.
Falsas esperanças
Paul Garner, professor de Infectologia na Liverpool School of Tropical Medicine, começou a escrever um blog no British Medical Journal, frustrado ao ver que continuava doente depois de um mês.
Ele sofreu terríveis dores de cabeça, respiração entrecortada, formigamento nos membros e uma vez achou que fosse perder a consciência. "Achei que estivesse morrendo, foi assustador", explicou.
O mais difícil de suportar foi a confusão e as mudanças de humor, comenta este médico de 64 anos, que, até então, gozava de boa saúde.
Entrevistado no 96º dia de sua doença, ele fala de uma melhora gradual, mas se preocupa de que pessoas vulneráveis possam sofrer pressões para voltar ao trabalho antes de estar preparadas.
Ainda não se sabe se estes sintomas persistentes são causados pelo próprio vírus ou pela resposta imune exagerada do corpo.
Segundo Tim Spector, alguns dos "Covid de longo prazo" ainda têm vestígios do vírus no organismo, mas não se sabe se isto implica que ainda sejam contagiosos.
Um estudo publicado em 2009 com 233 pacientes com Sars (Síndrome Respiratória Aguda Grave), provocada por outro coronavírus, mostrou que quatro anos depois, 40% dos pacientes sofriam de depressão ou fadiga crônica.
Os jovens, menos propensos a desenvolver a forma grave da Covid-19 ou a morrer dela, devem ser advertidos de que a doença também pode debilitá-los durante meses, acrescentou Jenny Judge.
"É uma espécie de roleta russa, não se sabe ainda o que faz com que algumas pessoas tenham uma doença mais longa", destaca.

Fonte: France Presse

Churrasquinho do Hélio esta com Delivery e promoção!

O Churrasquinho do Hélio esta com serviço de Delivery e com uma mega promoção! Na TERÇA-FEIRA e na QUARTA-FEIRA, se você comprar R$ 20,00 (vinte reais) em espetinho, ganha um Guaraná de um litro! Acompanha farofa e vinagrete. Entrega grátis a partir de R$ 15,00 reais. Interessados entrar em contato pelo fone: (84) 999709-2300.

Agência do governo encerra parceria com instituto que ajudou Facebook a derrubar páginas ligadas a Bolsonaro

Sede da  Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex)
Sede da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex) | divulgação
A Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex), órgão vinculado ao Ministério das Relações Exteriores, encerrou antecipadamente uma parceria com a organização que auxiliou o Facebook a derrubar uma rede de páginas ligadas a funcionários do presidente Jair Bolsonaro e aliados.
A Apex tinha, desde 2018, uma afiliação com o instituto Atlantic Council, por meio de um dos seus centros, focado na América Latina, o Adrienne Arsht Latin America Center. A afiliação tem custo de US$ 200 mil, para um período de dois anos. Outro órgão vinculado ao Atlantic Council, o laboratório Digital Forensic Research Lab (DRFLab), participou de uma investigação do Facebook que acarretou na suspensão de páginas de aliados de Bolsonaro.
A Apex informou que decidiu antecipar o fim da parceria, que deveria seguir até outubro, por julgar que não haveria mais condições para integrantes do governo participarem de eventos com representantes do Atlantic Council. A agência, entretanto, informou que foi uma decisão interna e que não houve pressões por parte do governo federal. Bolsonaro criticou a decisão do Facebook e disse que seus apoiadores são alvos de perseguição.
Na manhã de sexta-feira, o ideólogo Olavo de Carvalho criticou a parceria, atribuindo ela à "ala militar" do governo. O presidente da Apex, Ricardo Segovia, é contra-almirante da Marinha.
"A ala militar do governo trabalha para financiar (com dinheiro público da Apex) uma organização internacional de esquerda que trabalha para censurar conteúdos de apoio ao presidente", escreveu Olavo em suas redes sociais, fazendo referência a um conteúdo divulgado por um youtuber. "Se isso é verdade, esses generais têm de ir para a CADEIA", acrescentou.
Na próxima semana estava previsto um seminário com organizado pela Apex e pelo Adrienne Arsht Latin America Center que contaria com a presença do diretor-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC), Roberto Azevêdo. Em junho, foi realizado outro seminário, com o embaixador dos Estados Unidos no Brasil, Todd Chapman, e o encarregado de negócios da Embaixada do Brasil em Washington, Nestor Forster.

Fonte: O Globo

MP acha milhões de reais em dinheiro em casa do ex-secretário de Saúde do RJ Edmar Santos

 
Fotos: reprodução
A operação do Ministério Público que prendeu nesta sexta-feira (10) o ex-secretário de Saúde do Rio de Janeiro Edmar Santos encontrou em uma casa dele milhões de reais em dinheiro. Segundo as primeiras contagens dos agentes, foram encontrados pelo menos R$ 5 milhões.
O dinheiro estava numa casa em Itaipava, na Região Serrana. Até as 19h40, as autoridades ainda estavam contando quanto havia.
Prisão em Botafogo
Santos foi preso em casa nesta manhã, em Botafogo, na Zona Sul do Rio. Após ser levado à Cidade da Polícia e, em seguida, ao Instituto Médico Legal, o ex-secretário foi conduzido à Unidade Prisional da PM, em Niterói, Região Metropolitana do Rio.
O ex-secretário é investigado por suspeitas de irregularidades nos contratos de Saúde do RJ durante a pandemia de Covid-19, e deverá responder por peculato – corrupção cometida por funcionário público – e organização criminosa, segundo o MPRJ.
Áudios reforçam acusação
Os promotores apresentaram provas de que o próprio ex-secretário fazia a interface com empresas interessadas em contratar com a secretaria. Em certas ocasiões, diz o MPRJ, Santos realizava prévia indicação daqueles que seriam contratados em processos administrativos que estavam por vir.
Em uma conversa de áudio no celular de Neves, Edmar Santos determinava a criação de uma “lista secreta” daqueles que seriam fornecedores da pasta.
“(…)Mapeia para mim todos os endereços de depósito de distribuidor de medicamento, distribuidor de material médico e distribuidor de equipamento aqui no Rio de Janeiro. Cara, todos esses endereços de depósito, deixa uma lista aí secreta contigo. Só eu e você vamos ter acesso a isso”, instruiu Santos a Gabriell Neves, ex-subsecretário que também está preso.
R$ 1 bilhão em contratos emergenciais
Além disso, há suspeitas de irregularidades nos contratos firmados sem licitação. Entre eles, o de compra de respiradores, oxímetros e medicamentos e o de contratação de leitos privados. O governo do RJ gastou R$ 1 bilhão para fechar contratos emergenciais.
Dos 1 mil respiradores comprados pela pasta, apenas 52 foram entregues e não serviam para pacientes com Covid-19. Os contratos foram firmados com três empresas, também investigadas.
Outros 97 aparelhos chegaram no fim de junho e estão no terminal de cargas do Aeroporto Internacional Tom Jobim, encalhados.

Fonte: G1

MAIS INFORMAÇÕES SOBRE ASSALTO NO CENTRO DE CURRAIS NOVOS – VÍDEO

Fonte: Policia Militar de Currais Novos

Dr. Fernando Cano esta atendendo na CEOM

O Dr. Fernando Cano é um médico com residencia em psiquiatria pela Faculdade de Medicina da UNICAMP em São Paulo, e membro titular da Associação Brasileira de psiquiatria. 
Dr. Fernando esta atendendo na clinica CEOM, localizada na Rua Cipriano Pinheiro Galvão, N° 67. Fones para contato: 3412-1048 ou WhatsApp (84) 99866-0601. 

ASSALTO A FARMÁCIA NO CENTRO DE CURRAIS NOVOS, UM SUSPEITO FOI PRESO PELA PM

Um assalto a mão armada foi registrado na noite dessa sexta-feira (10/07) contra uma farmácia na rua Joventino da Silveira no centro de Currais Novos. A Polícia Militar foi acionada , deslocou várias viaturas e cercou o bairro, um suspeito acabou preso. 

Fonte: CN POLÍCIA

sexta-feira, 10 de julho de 2020

Petrobras anuncia venda de campos de exploração de petróleo em águas rasas do RN

Sede da Petrobras no Rio Grande do Norte — Foto: Bruno Vital/G1
Sede da Petrobras no Rio Grande do Norte — Foto: Bruno Vital/G1
A Petrobras assinou nesta quinta-feira (9) um contrato para a venda de toda a sua participação nos campos de Pescada, Arabaiana e Dentão, localizados em águas rasas da Bacia Potiguar (Polo Pescada), no estado do Rio Grande do Norte. Os campos serão vendidos à OP Pescada Óleo e Gás Ltda., empresa subsidiária da Ouro Preto Óleo e Gás S.A., que já tinha 35% de participação no negócio.
De acordo com a empresa, valor da venda é de US$ 1,5 milhão, que deverá ser pago em duas parcelas: US$ 300 mil na assinatura do contrato e US$ 1,2 milhão no fechamento da transação, sem considerar os ajustes devidos.
"O fechamento da transação está sujeito ao cumprimento de condições precedentes, tais como a aprovação pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) e pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP)", informou a Petrobras.
Segundo estatal, a venda está de acordo com as diretrizes para desinvestimentos da empresa e com os decretos federais que tratam da cessão dos direitos à exploração e produção.
"Essa operação está alinhada à estratégia de otimização do portfólio e à melhoria de alocação do capital da companhia, passando a concentrar cada vez mais os seus recursos em águas profundas e ultra profundas, onde a Petrobras tem demonstrado grande diferencial competitivo ao longo dos anos", informou ainda a empresa.
Sobre o Polo Pescada
O Polo Pescada compreende três campos de águas rasas: Pescada, Arabaiana e Dentão, localizado no estado do Rio Grande do Norte. A Petrobras é operadora dos três campos com 65% de participação e a OP Pescada Óleo e Gás Ltda detém os 35% restantes em consórcio.
A produção média do Polo Pescada de janeiro a junho de 2020 foi de aproximadamente 260 barris de óleo por dia (bpd) e 190 mil m3/dia de gás.
Em dezembro de 2019, a Petrobras concluiu a venda de toda a sua participação em 34 campos de produção terrestre de petróleo no estado à empresa Potiguar E&P S.A, subsidiária da Petrorecôncavo S.A dentro do seu plano de desinvestimento.

Fonte: G1 RN

Polícia Civil prende em Guamaré homem condenado por estupro da enteada de 12 anos

Prisão aconteceu em Guamaré nesta quinta (9) - Foto de arquivo — Foto: Marcelino Neto/O Câmera
Prisão aconteceu em Guamaré nesta quinta (9) - Foto de arquivo — Foto: Marcelino Neto/O Câmera
Um homem de 38 anos foi preso nesta quinta (9) em Guamaré, pelo crimes de estupro de vulnerável e lesão corporal contra a enteada dele de 12 anos de idade.
De acordo com as investigações, o homem teria estuprado e agredido a enteada em 2013. Ainda segundo as investigações, ele chegou a colocar sonífero na comida da família da vítima para poder ficar sozinho com ela.
Ele foi condenado pela Justiça a uma pena de 13 anos e 9 meses de reclusão, pela prática dos crimes, e estava com o mandado de prisão em aberto.
Após a prisão, o homem foi conduzido até a delegacia e encaminhado ao sistema prisional, onde ficará à disposição da Justiça.

Fonte: G1 RN

quinta-feira, 9 de julho de 2020

Pesquisa da Universidade Federal da Paraíba cria inseticida que mata o mosquito da dengue

Professora Fabíola Cruz, da Universidade Federal da Paraíba (UFPB)
Uma pesquisa coordenada pela professora Fabíola Cruz, do Departamento de Biologia Celular e Molecular da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), desenvolveu um inseticida capaz de matar o Aedes aegypti, que transmite vírus como dengue, zika e a chikungunya.
A informação foi divulgada pela universidade federal paraíbana, que conduziu as pesquisa em parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Algodão).
O inseticida é produzido a partir do extrato de agave (sisal), planta cultivada em regiões semiáridas. Segundo a universidade, a planta é utilizada em sua versão híbrida, uma variante melhorada geneticamente em laboratório, com o intuito de obter uma planta mais resistente a pragas.
A universidade afirmou, ainda, que a eficácia do inseticida já é comprovada para eliminar o mosquito Aedes aegypti em qualquer uma de suas fases de vida (ovo, larva, pupa ou adulto).
Entre outros benefícios do invento, estão o baixo custo, ação rápida e o fato de não ser tóxico para outros animais.
O objetivo da parceria com a Embrapa é conseguir empresas que possam produzir esse inseticida em escala comercial.
“Nem a UFPB e nem a Embrapa têm condições de produzir, de tornar o inseticida comercializável. Então, para isso, precisamos de um agente externo, que seria uma indústria”, explica a pesquisadora, destacando ainda o papel da Agência de Inovação Tecnológica (Inova) nessa articulação com o setor privado.
Por meio da produção e da comercialização, a pretensão, com este convênio, é também gerar renda para os produtores de sisal na Paraíba.
“Hoje, os produtores que vivem da cultura do sisal têm a sua renda muito diminuída porque a planta vem perdendo importância. Já teve muita relevância no passado, porque a fibra do sinal era muito utilizada na indústria, e hoje está sendo substituída por fibra sintética. Quando a gente faz uma descoberta como essa, isso volta a tornar o sisal importante”, defende a professora Fabíola.

Fonte: CNN

Investigação aponta assessor de Bolsonaro como responsável por página de fake news derrubada pelo Facebook

 Tercio Arnaud Tomaz teve sua página no Facebook excluída. Antes, tinha foto com o presidente Jair Bolsonaro — Foto: Reprodução/DFRLab
Tercio Arnaud Tomaz teve sua página no Facebook excluída. Antes, tinha foto com o presidente Jair Bolsonaro — Foto: Reprodução/DFRLab
Páginas que o Facebook derrubou na investigação que levou à remoção de uma rede de contas falsas relacionadas ao PSL e a gabinetes da família Bolsonaro tinha Tercio Arnaud Tomaz, assessor do presidente Jair Bolsonaro, como administrador de alguns dos perfis que divulgavam fake news. Ele também é um dos integrantes do chamado "gabinete do ódio".
A remoção de conteúdo aconteceu tanto no Facebook quanto no Instagram, em uma investigação do Atlantic Council’s Digital Forensic Research Lab (DFRLab), que mantém uma parceria com o Facebook desde 2018 para análise independente de remoções feitas pela rede social por comportamento inautêntico coordenado. A apuração foi feita somente com mensagens e posts divulgados nas páginas removidas.
Tomaz foi o único responsável pelas páginas identificado na investigação que trabalha diretamente com o presidente. Ele também administrou as redes sociais de Jair Bolsonaro na eleição de 2018. Antes, trabalhou no gabinete do vereador Carlos Bolsonaro no Rio de Janeiro no cargo de auxiliar de gabinete. Sua página no Facebook foi excluída.
O assessor trabalha no Palácio do Planalto, em uma sala próxima do presidente, tem salário de quase R$ 14 mil por mês e apartamento funcional. Ele faria parte do "gabinete do ódio", junto com José Matheus Salles Gomes e Mateus Matos Diniz.
O DFRLab aponta que Tomaz era o responsável por "Bolsonaro Opressor 2.0", uma página já removida que publicava conteúdos a favor do presidente, fazia ataques a adversários políticos, como o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, e até ex-ministros do governo, como Luiz Henrique Mandetta e Sergio Moro, e divulgava notícias falsas. A página tinha mais de 1 milhão de seguidores no Facebook.
Moro comentou a decisão do Facebook. Disse que "foi alvo da rede de mentiras que age por motivos político-partidários. Pessoas que perderam qualquer senso de decência".
Ainda, Tomaz era responsável pela página "@bolsonaronewsss" no Instagram, também derrubada pelo Facebook. Embora o dono da página fosse anônimo, a informação de registro em seu código-fonte mostra que ela pertence a ele, segundo a investigação. Ela tinha 492 mil seguidores e um total de 11 mil publicações.
Procurado pelo G1, o Planalto não se manifestou até a publicação desta reportagem.
Investigação
A investigação também identificou dois assessores do deputado Eduardo Bolsonaro, filho do presidente, atuando na rede desses perfis. Um deles, Eduardo Guimarães, já foi apontado pela CPI mista das fake news como criador e administrador de páginas que faziam ataques contra adversários do presidente. Esses perfis já haviam sido retirados pelo Facebook. Nesta quarta, perfis pessoais de Eduardo Guimarães também foram apagados.
Paulo Eduardo Lopes, conhecido como Paulo Chuchu, é o outro assessor de Eduardo Bolsonaro apontado na investigação como um dos principais operadores dessa rede que Facebook derrubou.
“O Eduardo Bolsonaro tem um assessor chamado Paulo Eduardo, conhecido como Paulo Chuchu, que fazia parte dessa rede. Ele registrou, por exemplo, um site que era um site teoricamente de notícias independentes, mas que na verdade era pró-Bolsonaro. Ele é um dos coordenadores da Aliança, o partido que o Bolsonaro está tentando formar", afirma Luísa Bandeira. chefe para a América Latina do DFRLab. "Ele é um dos coordenadores da Aliança em São Bernardo do Campo. Então, eles tinham um grupo no Facebook também, que faziam se passar por notícias independentes, por jornalismo independente, quando, na verdade, é um esforço de propaganda ligado, nesse caso, a um assessor do Eduardo Bolsonaro.”
Mensagens dessa rede de apoio com perfis falsos ligada ao presidente Jair Bolsonaro começaram a ser divulgadas antes da eleição presidencial de 2018. Contudo, se intensificaram muito do fim de 2019, quando foram feitos sistemáticos ataques a ministros do Supremo Tribunal Federal, ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e outras autoridades classificadas como adversárias políticas do presidente. Essa rede se manteve ativa mesmo depois da da instalação da CPI das fake news e da abertura dos inquéritos pelo STF.
“É uma rede antiga, tem páginas que são bem antigas, bem antes da eleição, mas a atividade principal que a gente vê delas foi no final de 2019, início de 2020. Então, tem muitas coisas relacionadas à Covid-19. Tem muitas coisas como eu falei sobre o Congresso, sobre o STF, o que está acontecendo no Brasil agora, então essa rede estava atuando com muita força agora até ela ser retirada do ar pelo Facebook”, destaca Luísa.
"A gente vê, todo brasileiro sabe disso, a gente vê no WhatsApp, tem muitos ataques às pessoas, a gente vê no Twitter, então não é só isso, a informação está sempre conectada. Então, o que se estava tentando fazer ali era criar uma narrativa e uma ideia de que aquelas pessoas eram pessoas que deveriam ser desqualificadas por vários motivos distintos."
A relatora da CPMI das fake news, deputada Lídice da Mata, do PSB, disse que a retirada dos perfis ligados ao presidente Bolsonaro comprovam o que já mostraram as investigações do Congresso.
Veja o que o Facebook divulgou sobre a remoção de contas no Brasil:
  • Foram apagadas 35 contas, 14 páginas e 1 grupo no Facebook, além de 38 contas no Instagram;
  • Cerca de 883 mil pessoas seguiam uma ou mais dessas páginas no Facebook;
  • Em torno de 917 mil seguiam contas do grupo no Instagram;
  • O grupo removido reunia cerca de 350 pessoas;
  • Foram gastos US$ 1,5 mil em anúncios por essas páginas, pagos em real.
A rede social não divulgou a relação dos perfis e do grupo removidos, mas, em imagens usadas pelo Facebook como exemplo dos conteúdos derrubados, é possível ver as páginas "Jogo Político" e "Bolsonaro News", no Facebook.
O Facebook afirmou que chegou ao grupo a partir de notícias na imprensa e por meio de referências durante audiência no Congresso brasileiro.
"A atividade incluiu a criação de pessoas fictícias fingindo ser repórteres, publicação de conteúdo e gerenciamento de páginas fingindo ser veículos de notícias", disse o Facebook em comunicado.
Segundo a empresa, os conteúdos publicados eram sobre notícias e eventos locais, incluindo política e eleições, meme políticos, críticas à oposição, organizações de mídia e jornalistas, e também sobre a pandemia de coronavírus.
Ainda de acordo com a rede social, o grupo usava uma combinação de contas duplicadas e contas falsas para evitar a aplicação de políticas da plataforma.
O Facebook afirmou que quando investiga e remove esse tipo de operação se concentra mais "no comportamento, e não no conteúdo – independentemente de quem esteja por trás dessas redes, qual conteúdo elas compartilhem, ou se elas são estrangeiras ou domésticas."
Alguns dos conteúdos publicados por essa rede foram removidos automaticamente por terem violado a política interna da rede social, inclusive por discurso de ódio.
Outro lado
O G1 procurou as assessorias dos parlamentares citados pelo Facebook e a Secretaria Especial de Comunicação Social (Secom), órgão da Presidência da República. Veja abaixo as respostas recebidas até a última atualização desta reportagem.
Nota do PSL
"A respeito da informação que trata da suspensão de contas do Facebook de alguns políticos no Brasil, não é verdadeira a informação de que sejam contas relacionadas a assessores do PSL, e sim de assessores parlamentares dos respectivos gabinetes, sob responsabilidade direta de cada parlamentar, não havendo qualquer relação com o partido.
Ainda, o partido esclarece que os políticos citados, na prática, já se afastaram do PSL há alguns meses com a intenção de criar um outro partido, inclusive, tendo muitos deles sido suspensos por infidelidade partidária. Ainda, tem sido o próprio PSL um dos principais alvos de fake news proferidos por este grupo."
Nota da assessoria do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos -RJ)
"O governo Bolsonaro foi eleito com forte apoio popular nas ruas e nas redes sociais e, por isso, é possível encontrar milhares de perfis de apoio. Até onde se sabe, todos eles são livres e independentes.
Pelo relatório do Facebook, é impossível avaliar que tipo de perfil foi banido e se a plataforma ultrapassou ou não os limites da censura.
Julgamentos que não permitem o contraditório e a ampla defesa não condizem com a nossa democracia, são armas que podem destruir reputações e vidas."
Nota da assessoria da deputada Alana Passos (PSL-RJ)
"Em nenhum momento fui notificada pelo Facebook sobre qualquer irregularidade ou violação de regras das minhas contas, que são verificadas e uso para divulgar minha atuação como parlamentar e posições políticas. Quanto a perfis de pessoas que trabalharam no meu gabinete, não posso responder pelo conteúdo publicado. Nenhum funcionário teve a rede bloqueada por qualquer suposta irregularidade. Estou à disposição para prestar qualquer esclarecimento, pois nunca orientei sobre criação de perfil falso e nunca incentivei a disseminação de discursos de ódio".
Nota da assessoria do deputado Anderson Moraes (PSL-RJ)
"Tenho um perfil verificado, que não sofreu bloqueio ou qualquer aviso de ter violado qualquer regra da rede. Mas excluíram a conta de uma pessoa que trabalha no gabinete, uma pessoa com perfil real, não é falsa. A remoção da conta foi absurda e arbitrária, porque postava de acordo com ideologia e aquilo que acreditava.
O Facebook em nenhum momento apontou o que estava em desacordo com as regras. Qual motivo excluíram? Falam em disseminação de ódio, mas será que também vão deletar perfis de quem desejou a morte do presidente?
O governo Bolsonaro foi eleito com forte apoio nas redes sociais, perfis livres. Querem tolher a principal ferramenta da direita de fazer política. Estão atentando contra a liberdade de expressão e isso contraria princípios democráticos."

Fonte: G1 

Cientistas estão preocupados com curva de mortes por Covid 'estacionada' em patamar alto demais

A média de mortes estacionou. O problema é que permanece em um nível alto demais, um comportamento que não foi visto na maioria das outras nações.
A média de mortes estacionou. O problema é que permanece em um nível alto demais, um comportamento que não foi visto na maioria das outras nações. Foto: Pilar Olivares / Reuters
Um país de diversas faces e uma só doença. O Brasil que, até ontem, contabilizava 68.055 mortes por coronavírus, vê a Covid-19 disseminar-se de diferentes formas em cada região. A média de óbitos cresce vertiginosamente no Sul, atinge uma vacilante estagnação no Sudeste e cai em poucos estados, como Amazonas, Pará e Rio de Janeiro. O diagrama nacional dos casos fatais segue reto há mais de um mês. O problema é que estacionou em um nível alto demais, um comportamento que não foi visto na maioria das outras nações.
Mesmo os estados que conseguiram reduzir a média de óbitos devem seguir cautelosos. No Ceará, por exemplo, a queda do índice de mortes foi interrompida conforme a Covid-19 alcançou para o interior do estado. Já o Rio de Janeiro pode ser motivo de novas preocupações nas próximas duas ou três semanas, diante do agravamento do quadro de saúde de pessoas que estariam sendo infectadas atualmente, quando a capital fluminense passa por um período de relaxamento social.
— A passagem do pico da doença gera um impacto psicológico de que o pior já passou, mas o coronavírus ainda está lá, principalmente entre os mais pobres e no interior — atenta Christovam Barcellos, sanitarista da Fiocruz. — Em todo o mundo, a curva de óbitos é assimétrica, desce do pico com uma velocidade muito menor do que chegou a ele.
Barcellos ressalta que a chegada da Covid-19 no país levou prefeitos e governadores de todas as regiões a adotar medidas semelhantes de isolamento social.

Fonte: Extra

Força Tática prende trio com arma e veículo roubado na zona Oeste

Arma apreendida pela Força Tática do 9° BPM
Na madrugada desta quinta-feira (09), policiais militares da Força Tática do 9° Batalhão de Polícia Militar efetuaram a prisão de dois homens e a apreensão de um adolescente de 17 anos no bairro Planalto, zona Oeste de Natal, após serem flagrados portando uma arma de fogo e na posse de um veículo roubado.
De acordo com informações do Centro Integrado de Operações de Segurança Pública, os militares suspeitaram de um veículo tipo Fiat Uno com três ocupantes que trafegava na rua Agrestina, bairro Planalto, por volta de 1h da madrugada.
Durante a abordagem, os policiais encontraram um revólver calibre .32 com duas munições e constataram que o veículo utilizado pelos suspeitos possuía queixa de roubo.
Na ação policial, dois homens foram presos e um adolescentes de 17 anos foi apreendido, tendo sido conduzidos à Delegacia de Polícia Civil para a realização dos procedimentos legais.

Fonte: PM/ASSECOM/Repórter: CB GLAUCIA

Juiz-Corregedor confirma que 39 apenados do Presídio de Caicó estão com Covid-19

Quantidade de casos de Covid-19 no Presídio aumentou
A informação foi confirmada pelo juiz-corregedor de Caicó, Luiz Cândido Vilaça. Em entrevista ao Cidade Alerta (Rural FM 102,7) desta quarta (08) o magistrado adiantou que 39 apenados da Penitenciária Estadual do Seridó estão com Covid-19.
Porém, de acordo com ele a situação não está fora de controle, e todos os cuidados estão sendo tomados pelo próprio presídio para garantir a saúde dos apenados e o controle do avanço da doença.
Policiais Penais que trabalham na Penitenciária seridoense também testaram positivo, estão afastados e acompanhados pelas secretarias de Saúde de seus municípios.

Fonte: Blog do Marcos Dantas

Empresa russa diz ter obtido licença para antiviral capaz de impedir replicação do coronavírus

Um funcionário de restaurante usa máscara e protetor facial devido ao surto de doença por coronavírus (COVID-19) em Moscou, Rússia, 8 de julho de 2020.  — Foto: Maxim Shemetov/Reuters
Um funcionário de restaurante usa máscara e protetor facial devido ao surto de doença por coronavírus (COVID-19) em Moscou, Rússia, 8 de julho de 2020. — Foto: Maxim Shemetov/Reuters
A empresa R-Pharm disse nesta quarta-feira (8) ter obtido licença na Rússia para comercialização de um novo medicamento antiviral específico para o tratamento da Covid-19, de acordo com a agência Reuters. O remédio é chamado de Coronavir e a empresa diz que ele é capaz de inibir a replicação do coronavírus Sars-Cov-2.
A Rússia já tinha aprovado anteriormente o uso de outro antiviral, o Avifavir, em 11 de junho. Tanto o Coronavir quando o Avifavir tem como base um antiviral já alvo de estudos: o favipiravir. Ele foi analisado na China ainda está sendo testada no Japão, e não é comercializada. Em alguns casos, houve alerta de risco de má formação em embriões.
Tanto o Coronavir quanto o Avifavir não são comercializados no Brasil. Os responsáveis russos não divulgaram estudos randomizados e revisados por outros cientistas em revistas científicas que comprovem a eficácia dos medicamentos contra a Covid-19.
Combate ao vírus
A empresa R-Pharm diz que um ensaio clínico envolvendo casos leves e médios mostrou eficácia para impedir a replicação do Sars-Cov-2. Os representantes afirmam que o ensaio mostrou melhora em 55% dos casos no 7º dia do tratamento. Os testes começaram em maio e foram aplicados em 110 pacientes.
"A prática clínica e o estudo clínico que realizamos confirmaram que o Coronavir interrompe muito mais rapidamente a infecção em decorrência de uma efetiva obstruçãoda replicação do vírus", disse Mikhail Samsonov, diretor médico da R-Pharm, à Reuters.
O antiviral é um dos produtos da R-Pharm, que afirma estar desenvolvendo uma candidata a vacina contra a Covid-19 e diz ter já um medicamento aprovado pelo ministério da Saúde russo que atua contra a "tempestade de citocinas" causadas pelo novo coronavírus.

Fonte: G1 

Carro pega fogo no meio da rua em Natal

Carro pegou fogo no Tirol, em Natal — Foto: Luiz Gustavo Ribeiro/Inter TV Cabugi
Um carro pegou fogo no meio da rua na tarde desta quarta-feira (8) no bairro do Tirol, na Zona Leste de Natal, e precisou da ação dos bombeiros para apagar as chamas. O caso aconteceu na Rua Joaquim Fagundes, próximo ao semáforo que dá acesso à Avenida Hermes da Fonseca, por volta das 15h30. Ninguém ficou ferido.
Quem dirigia o veículo era um motorista de aplicativo. Segundo relatou ao Corpo de Bombeiros, ele estava parado no semáforo quando ouviu uma pancada no fundo do carro e foi conferir pensando ter sido uma batida. Nesse momento, ele percebeu que o gás natural veicular tinha vazado do cilindro, o que foi sentido também pelo cheiro.
Segundo relatou o motorista ao Corpo de Bombeiros, as chamas começaram pelo banco traseiro e outras partes do carro pegaram fogo na sequência. Os bombeiros chegaram ao local em poucos minutos e conseguiram controlar as chamas.
Praticamente todas as partes do veículos, do tipo Renault Logan da cor branca, foram atingidos.

Fonte: G1 RN

quarta-feira, 8 de julho de 2020

'Perdemos pessoas próximas, não é hora de incentivar aglomerações', diz dono de bar que não reabriu mesmo com aval da prefeitura de Natal

Bar fica às margens da praia de Ponta Negra — Foto: Reprodução
Bar fica às margens da praia de Ponta Negra — Foto: Reprodução
Alguns restaurantes e praças de alimentação decidiram não reabrir as portas em Natal, mesmo com a autorização da prefeitura que permitiu a retomada gradual das atividades econômicas na capital potiguar. A primeira fração da abertura do comércio começou no dia 30 de junho. O funcionamento de bares, restaurantes e serviços alimentícios foi autorizado a partir de terça-feira (7).
Os comerciantes temem uma nova onda de aumento de casos de Covid-19, o que causaria um possível novo fechamento. Parte desse grupo de empresários enxerga a situação com prudência para avançar na flexibilização dos serviços sem pôr em risco os investimentos já feitos.
É o caso de Paulo Minnemann, proprietário de um surfe bar na praia de Ponta Negra em Natal, que também atua na venda e fabricação de pranchas, além de oferecer aulas do esporte. O empresário conta que é sensível aos comerciantes que precisaram reabrir os estabelecimentos, mas decidiu aguardar para saber se avança na reabertura do espaço físico.
"A gente não tem certeza de muita coisa. Sabemos que existe uma subnotificação de casos, que a doença continua se espalhando pelo estado e que os leitos continuam cheios, então decidimos que não era o momento. Perdemos algumas pessoas próximas para a Covid-19 e sentimos que não é a hora de incentivar que as pessoas saiam às ruas e provoquem aglomerações", conta Minnemann.
O surfe bar de Paulo está fechado e parado há três meses. Segundo o empresário, o estabelecimento se mantém com as vendas de pranchas durante a pandemia. "A gente não optou pelo delivery porque oferecemos a experiência completa e não teríamos como entregar isso. Em geral, nossos pratos são crustáceos que precisam ser servidos frescos e não conseguiríamos oferecer a qualidade dos produtos aos clientes. Seria um investimento alto para um retorno muito baixo", diz.
O bar possui ponto próprio e um quadro "enxuto" de funcionários, que precisaram ser afastados. "Fizemos isso em respeito a eles porque temos essa responsabilidade e os salários estão sendo pagos com a ajuda do governo. Estamos nos virando com as nossas economias, demos um passo atrás e conseguimos reduzir os custos em um quinto. Entendemos que cada caso é um caso, mas nós decidimos esperar para abrir com segurança", afirma Amanda Pereira, gestora do Minnemann Surf.
O empresário Thiago Guerreiro, proprietário da doceria Mr. Cupcake, localizada em Candelária, foi outro que também decidiu aguardar para reabrir.
"A gente vem se baseando mais nas recomendações da saúde, em relação a quantidade de leitos disponíveis para reabrir ou não. Entendemos quem precisou reabrir, mas decidimos aguardar mais 15 dias porque o investimento é alto para se preparar com todas as recomendações sanitárias e também porque investimos no delivery", comenta Thiago Guerreiro.
Doceria fica no bairro de Candelária — Foto: Cedida
Doceria fica no bairro de Candelária — Foto: Cedida
A doceria de Thiago está fechada desde a segunda quinzena de março e desde então começou a investir na implantação do serviço de delivery. A queda na arrecadação foi de quase 100% nas primeiras semanas da pandemia, mas as vendas aumentaram com os pedidos online, segundo o proprietário da empresa.
"Também por isso que a gente aguarda mais um pouco para reabrir. Além de não nos sentirmos seguros por achar que a situação é grave, a gente investiu no delivery e vem observando uma boa procura dos clientes. Também estamos vendendo online e entregando no estabelecimento. Foram uma série de adequações", conta Guerreiro.
Além do surfe bar Minnemann Surf e da doceria Mr. Cupcake, outros estabelecimentos decidiram não abrir a partir da terça-feira (7) e anunciaram a decisão pelas redes sociais. São eles: Mazzano Restaurante e Pizzaria, Gennari Culinária Italiana, Cascudo Bistrô e Manary Praia Hotel.
Reabertura
O prefeito de Natal, Álvaro Dias, decidiu manter a retomada das atividades econômicas da capital potiguar conforme previsto no decreto municipal. Na terça (7), o governo do Estado suspendeu a segunda fração da retomada das atividades no RN que teria início na quarta (8) por causa da alta taxa de ocupação de leitos de UTI que chegou a 89,11% esta semana.
Na terça (7), Natal amanheceu com lanchonetes, restaurantes e parques de alimentação abertos após o fechamento dos estabelecimentos para conter a pandemia de Covid-19. A reabertura ocorreu com base na segunda fração do plano de retomada das atividades econômicas publicado em decreto municipal.
Nesta quarta-feira (8), a prefeitura de Natal autorizou o funcionamento de shopping centers para vendas no sistema drive-thru e também a reabertura de igrejas e templos religiosos.

Fonte: G1 RN

Facebook derruba rede de páginas coordenada por funcionários da Presidência e dos gabinetes de Flávio e Eduardo Bolsonaro

O deputado Eduardo Bolsonaro, o presidente Jair Bolsonaro e o senador Flávio Bolsonaro
O Facebook derrubou nesta quarta-feira uma rede com 88 contas, páginas e grupos ligados a funcionários dos gabinetes do presidente Jair Bolsonaro e aliados. Entre eles, estão o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e os deputados estaduais Alana Passos e Anderson Moraes, ambos do PSL no Rio de Janeiro. Para a empresa, o conjunto removido agia para enganar sistematicamente o público, sem informar a verdadeira identidade dos administradores, desde as eleições de 2018. Os dados que constam das investigações da plataforma foram analisadas por pesquisadores americanos do Digital Forensic Research Lab (DRFLab), ligado ao Atlantic Council, especializados no combate à desinformação, às fake news e violação de direitos humanos em ambientes online. 
Nos domínios do Facebook, a rede em questão atuava através de 14 páginas, 35 contas pessoais e um grupo. No Instagram, onde também houve remoção de conteúdos, foram identificadas 38 contas envolvidas com irregularidades. Juntas, essas engrenagens mobilizavam uma audiência de mais de 2 milhões de pessoas, de acordo com o DRFLab.
Uma nota divulgada pelo Facebook para justificar a remoção dos conteúdos diz que o esquema envolvia a combinação de contas duplicadas e falsas, cujo objetivo era evitar a fiscalização da plataforma. Elas representavam pessoas fictícias que publicavam conteúdos em páginas que simulavam a atividade de veículos de imprensa. Entre as publicações, havia tópicos sobre política; eleições; críticas a opositores e a jornalistas e organizações de mídia e informações sobre a pandemia da Covid-19. Ainda segundo o texto, parte desse material já havia sido removido por violar normas de uso, incluindo discurso de ódio. Foram encontrados também, pelo DRFLab, ataques ao Supremo Tribunal Federal (STF) por meio das hashtags #STFVergonhaNacional e #STFEscritórioDoCrime.
A mensagem divulgada pela plataforma afirma que a investigação sucedeu reportagens nas quais foi relatada a existência de uma estrutura virtual montada por bolsonaristas — chamada por opositores “Gabinete do Ódio” — e depoimentos sobre o tema colhidos no Congresso Nacional durante a CPMI das Fake News.
O relatório do DRFLab aponta que a rede era controlada por ao menos cinco funcionários e ex-funcionários dos gabinetes bolsonaristas. Dos assessores diretos do presidente Jair Bolsonaro, o Facebook e o Instagram identificaram páginas e contas com conteúdo de ataques a adversários políticos feitos por Tércio Arnaud Thomaz, assessor especial da presidência da República. Além da página “Bolsonaro Opressor 2.0”, seguida por mais de 1 milhão de pessoas no Facebook, foi identificada a conta @bolsonaronewsss, também sob administração de Tércio, com 492 mil seguidores e mais de 11 mil publicações.
No relatório, o DRFLab diz que “muitas páginas do conjunto foram dedicadas à publicação de memes e conteúdo pró-Bolsonaro enquanto atacavam rivais políticos. Uma dessas páginas foi a página do Instagram @bolsonaronewsss. A página é anônima, mas as informações de registro encontradas no código fonte confirmam que pertence ao Tércio Arnaud”. Segundo os pesquisadores, o “conteúdo era enganoso em muitos casos, empregando uma mistura de meias-verdades para chegar a conclusões falsas”. No relatório são mostradas imagens da conta postando ataques ao ex-ministro da Justiça Sergio Moro.
Também foram citadas contas e páginas de dois assessores de Eduardo Bolsonaro. O relatório cita Paulo Eduardo Lopes, mais conhecido como Paulo Chuchu, que, de acordo com o DRFLab, “aparece como um dos principais operadores de rede”.
O Facebook disse ter removido duas contas com o nome de Eduardo Guimarães. Ele foi citado na CPMI das “Fake News” como o dono extinta página do Instagram chamada “Bolsofeios”, que publicava ataques a adversários do clã Bolsonaro.
A plataforma chegou a achar indícios de assessores do senador Flávio Bolsonaro, mas pesquisadores do DRFLab não encontraram dados conclusivos o suficiente. Eles acreditam ainda que um funcionário do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), não mencionado pela rede social, atuou em conjunto com o grupo, assim como um servidor empregado pelo deputado estadual Coronel Nishikawa (PSL), da base bolsonarista em São Paulo.
Recrutamento desde 2013
Em junho, o GLOBO mostrou os perfis de alguns desses assessores que integram o chamado “gabinete do ódio”. Eles foram recrutados pelo vereador Carlos Bolsonaro desde 2013 para vir trabalhar em seu gabinete e reproduzir memes com ataques a adversários primeiro em páginas de Facebook. José Matheus Salles Gomes e Tércio Arnaud Thomaz foram os dois primeiros escolhidos por Carlos por suas páginas no Facebook. Eles chegaram a ser assessores de Carlos por vários anos e agora trabalham como assessores do presidente Jair Bolsonaro.
Depois, o grupo foi se ampliando e o recrutamento foi definitivamente selado numa reunião do clã Bolsonaro com alguns desses jovens, no salão de festas do primogênito e hoje senador Flávio, em 11 de março de 2017 — mais de um ano e meio antes da eleição presidencial. No Planalto agora também está Matheus Matos Diniz e atuam em parceria com os funcionários do Planalto dois assessores no gabinete do deputado federal Hélio Lopes: Guilherme Julian Freire, José Hemrique Rocha.

Fonte: O Globo